Arquivo: Edição de 27-07-2018

SECÇÃO: Generalidades

Ponto de Encontro

Eis um tema que vem muito a propósito considerar quando grande número de pessoas se dispõe a concretizar planos de férias mais ou menos bem pensados. Longe ou perto de casa, como mera rotina ou com objetivos bem definidos, algo de novo as pessoas geralmente anseiam alcançar e viver; há quem pense mesmo ter umas férias de sonho. Todavia, para evitar que as férias se tornem numa espécie de alienação que bem depressa se transforma em frustração ou desilusão, importa ter em vista que o investimento do tempo e outros gastos têm de ser colocados na linha reta de crescimento e felicidade. Aqui, também as mais diversas tecnologias e códigos de segurança, devem ser postos em funcionamento: que seja sempre possível e com o melhor sucesso ter ao alcance o ponto de encontro. Falando assim, não se trata propriamente de qualquer sítio paradisíaco, restaurante cinco estrelas ou lugar de concentração para algum passeio ou espetáculo: ponto de encontro é ter bem presente o sentido de dignidade e exigência de ser mais em que deve assentar toda a nossa vida.
As férias poderão ser, assim, uma experiência enriquecedora para a luta do dia a dia. Que não deverá ser encarada resignadamente como pesadelo incontornável, mas como convite permanente a divisar com clarividência o ponto de encontro.
A sensatez, conformidade da forma de agir com a consciência sadiamente formada, é uma virtude a cultivar sempre com o maior esmero e carinho; por ela a dignidade e exigência de ser mais se apresentam com projeção cada vez mais clara e atraente. No caso, porém, de consciências iluminadas pela fé, então o ponto de encontro transparece como realidade inseparável, verdadeira posse, condição de felicidade permanente. Também aqui e muito especialmente, é manifesta a necessidade de exercício de abertura e de presença para ouvir e acolher o alimento da Palavra. Perante tal condição de vida, - de segurança em Cristo – quaisquer outros esquemas não passarão de mera formalidade social.
Voltando ao tema férias, não seria razoável organizar os meios disponíveis para (re)descobrir toda a atração do ponto de encontro? E as ofertas são tantas! Boas leituras, tempos de oração, exercícios espirituais… É muito importante também aqui fazer a diferença: é que no meio disto tudo, há tantas coisas que não levam a lado nenhum ou só deixam o sabor a papeis de música. Reconhecer e interessar-se pela face espiritual do nosso ser é demonstração de coerência e felicidade em crescimento constante.

Lima de Carvalho

Email do Jornal: jornal@oconquistador.com
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.
Dom DigitalProduzido por ardina.com,
um produto da Dom Digital.