Arquivo: Edição de 16-10-2015

SECÇÃO: Informação Religiosa

Padre Manuel da Silva Oliveira

foto
No dia 6 de outubro faleceu, no hospital de Braga, o padre Manuel da Silva Oliveira. Com oitenta e cinco anos de idade terminou um tanto inesperadamente a sua peregrinação na terra, com passagem de poucas horas, pela Casa Sacerdotal.
Nasceu em Grand-Quevilly, Rouen, França a 8 de janeiro de 1930, veio, ainda criança, com seus pais, que regressaram ao país, fixando-se na freguesia de Brito, Guimarães. Frequentou os seminários arquidiocesanos até um ano antes de receber a ordenação sacerdotal, facto que veio a acontecer em Janeiro de 1954 em Nova Lisboa (Huambo), Angola.
Durante cerca de sete anos exerceu o ministério sacerdotal em terras de missão; a partir de 1960 regressou à arquidiocese de origem, vincando a sua ação pastoral, ora como professor, ora como pároco. Numa e noutra faceta, era bem manifesto o seu empenhamento em crescer e atingir patamares de perfeição. Recordamos, no primeiro caso, o entusiasmo que punha na aprendizagem de diversos idiomas. Para além do francês, que dominava familiarmente, do grego e alemão, seduzia-o muito o sueco e ucraniano, que nos últimos dias de vida, estudava com ardor.
A par desta atividade, era enriquecido com golfadas de cultura, complementada com muitas viagens.
Na sua ação pastoral e apostólica era bem expressiva a sua entrega muito particularmente em duas áreas: na catequese e juventude e na devoção ao Santíssimo Sacramento. Temos na memória a organização e preparação do início dum ano catequético na década de oitenta e ficaram também as suas paróquias que pastoreava legatárias do culto eucarístico através das adorações ao Santíssimo Sacramento.
Dotado, como era, de conhecimentos musicais e com a sua voz de tenor aquelas manifestações de fé e a caminhada com crianças e jovens, tinha, de verdade, precioso condimento.
O seu funeral, realizado na igreja paroquial de Brito, foi presidido pelo vigário geral da arquidiocese, cónego Valdemar Gonçalves; teve a participação de cerca de quatro dezenas de sacerdotes e uma assembleia de cristãos em que estavam bem representadas, as comunidades de Brito, Figueiredo, Leitões e Oleiros.
O padre Manuel da Silva Oliveira iniciou a ação pastoral como presbítero, em 1954, como coajutor em Porto Alexandre (Tômbua) e professor do Colégio Paroquial (Angola).
De 1955 a 1958, foi pároco de Cubal e professor da Escola Comercial (Angola).
Em 1959 foi pároco de Vila Nova (Angola).
Em 1960, desempenhou o cargo de capelão coadjutor do Santuário da Penha e professor do Colégio diocesano Egas Moniz, em Guimarães.
A 11 de agosto de 1978, foi nomeado pároco de Oleiros e Leitões, no arciprestado de Guimarães. Em 13 de setembro de 1989, foi nomeado pároco de Figueiredo, em acumulação com as duas comunidades anteriores.
A 27 de agosto de 1992, foi dispensado da paroquialidade de Figueiredo, Guimarães, continuando com as paróquias de leitões e Oleiros.
A 20 de julho de 2003, foi dispensado da paroquialidade de Leitões e, precisamente 11 anos depois (20/07/2014), foi dispensado, a seu pedido e por razões de idade, da paroquialidade de S. Vicente de Oleiros, arciprestado de Guimarães e Vizela, continuando capelão do Lar da Casa do Paço (S. João de Airão).

Email do Jornal: jornal@oconquistador.com
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.
Dom DigitalProduzido por ardina.com,
um produto da Dom Digital.