Arquivo: Edição de 26-06-2009

SECÇÃO: Informação Religiosa

Para que serviu o Ano Paulino?

Para responder a esta pergunta, lembremos o objectivo que os nossos Bispos propuseram para ele na Nota Pastoral de 6 de Maio de 2008.
Proposta dos nossos Bispos
Começaram por constatar: "Este Ano Paulino coincide, no tempo, com uma outra proposta feita pelo Santo Padre a toda a Igreja: a convocação de um Sínodo sobre a Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja." E avançaram: "Esta simultaneidade sugere-nos a convergência dos dois temas nas propostas pastorais. Paulo, grande Apóstolo da Palavra, pode ser o nosso guia para descobrirmos, mais profundamente, o lugar da Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja. Basta pensar que ele é o autor sagrado mais frequentemente lido na Liturgia."
Paulo foi, assim, convidado a despertar-nos para o Sínodo iminente e a preencher uma carência de formação no campo bíblico, há muito sentida entre nós. O primeiro sinal disso, foram as Cartas e Notas pastorais dos Bispos titulares às suas dioceses, dizendo o que nunca tinham dito acerca do valor da Palavra de Deus e da figura e escritos de Paulo, enquanto discípulo e apóstolo enamorado de Cristo, para a vida dos cristãos como crentes e evangelizadores.

foto

Programas e acções de todo o género
Uma voz tão uníssona, repercutiu-se em programas e acções de todo o género e em todos os sectores: Semanas Bíblicas nacionais e regionais, Semanas de Estudo nas Universidades e Institutos, nos Centros Pastorais e nas paróquias, a nível académico, científico, pastoral e espiritual; ciclos de conferências semanais e mensais ao longo de todo o ano, a nível diocesano; Escolas Bíblicas paroquiais e interparoquiais; grupos de leitura, estudo e oração a partir das Cartas de S. Paulo e dos Actos dos Apóstolos; itinerários de catequese e celebração para os tempos fortes do ano litúrgico: Advento/Natal, Quaresma/Páscoa; exposições de pintura e escultura a nível diocesano e local, sobre S. Paulo e outros apóstolos e evangelistas relacionadas com ele; edições de livros, CDs e DVDs, cadernos, cartazes e pagelas; números monográficos de revistas; programas de rádio e de televisão; encenações sobre a vida de Paulo e leitura pública das suas Cartas; Dias da Bíblia, incluindo exposições de livros, procissão pelas ruas, Tenda da Palavra aberta ao público para leitura contínua de toda a Bíblia; encenações e musicais de carácter popular e experimental. E "uma grande celebração nacional", em Fátima, no dia 25 de Janeiro…

E agora, Paulo?
Terminado o ano "oficial", e pensando no objectivo inicialmente proposto, importa- nos reter o essencial e permanente para lhe dar continuidade.

1. O melhor foi ler, estudar e rezar as Cartas de Paulo, conhecer a sua vida e paixão por Cristo e pelo Evangelho, sintonizar com o seu coração de Apóstolo. E constatar que fazê-lo não é difícil, dá gosto e cria sólidas raízes. Urge continuar, pois o desconhecimento inicial era grande! Cada comunidade precisa de um grupo aberto para ler, estudar, partilhar e comprometer-se com a Palavra.

2. Foi importante o que os Bispos disseram sobre a Palavra de Deus e a figura de Paulo. Importa agir em consequência, através de uma animação bíblica de toda a pastoral, pois a Igreja continua a viver a sua aventura num "mundo secularizado", como diziam na sua Nota Pastoral (nº 9)…

3. Criaram-se ritmos e dinamismos que devemos secundar: a Bíblia da Paróquia, a Bíblia da Família, os encontros com vizinhos para a leitura orante da Bíblia, o Dia da Bíblia com acções públicas de evangelização, transcrição das Leituras no boletim dominical e referência a elas na homilia.

4. Produziu-se bom material de apoio: rever/ler/ouvir o mais actual e oportuno, permutar com outras pessoas, oferecer à biblioteca paroquial. Paulo continua a ser proclamado; precisamos de o compreender para viver a sua mensagem.

5. Criou-se o apetite: garanta-se a alimentação permanente, pois é a Palavra que agrega a Igreja e a conduz à fé na Pessoa de Cristo. Mudar o leme para outra opção pastoral, neste momento, seria frustrar muito grão semeado e muita esperança germinada. E, talvez, correr o risco de ficarmos em Paulo, sem darmos o passo seguinte para Cristo.

O "Ano Sacerdotal" não pode fazer-nos regredir ao mero pietismo não evangelizado. Aliás, a Palavra levará os sacerdotes à raiz da sua aliança e comprometê-los-á na evangelização das suas comunidades, tornando-as activas, corresponsáveis e lúcidas, capazes de ver, julgar e agir com critérios de Evangelho.

frei Lopes Morgado, ofmcap
Chefe de Redacção da revista "Bíblica"
in A.E.

Email do Jornal: jornal@oconquistador.com
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.
Dom DigitalProduzido por ardina.com,
um produto da Dom Digital.