Arquivo: Edição de 24-10-2008

SECÇÃO: Região

Leituras e Mensagens...

161.° – As Esculturas de Penselo
Aí por 1946, a Escola Industrial e Comercial de Guimarães, hoje denominada Escola Francisco de Holanda, teria como director o abalizado escultor António de Azevedo, a quem no ano lectivo seguinte, (1947-48) sucederia no cargo o saudoso Dr. Daniel Nunes de Sá, este indelevelmente renomado com perfil das lides culturais e associativas, a quem o Município de Guimarães tanto ficou a dever.
Num estudo que aquele reputado escultor e crítico de arte, António de Azevedo, da Academia Nacional de Belas Artes e da 6ª. Secção da Junta Nacional de Educação, produziu sobre a Igreja da Colegiada, intitulado “Santa Maria de Guimarães” – Um Problema de Toponímia e Arqueologia Artística, editado pela Câmara Municipal de Guimarães (1956), são referidas entre outras obras do mesmo autor, as chamadas “Esculturas de Penselo”.
Esta temática foi inserida na Revista e Boletim da Academia Nacional de Belas Artes, segunda série, Lisboa 1948, nr.1.
Logo nos chamou a atenção o escrito que, numa forma elegante de linguagem tersa, o autor pretendeu dar a conhecer ao público em geral e ao investigador de arte, em particular, um precioso invento que ocasional e providencialmente lhe veio parar às mãos. As denominadas “Esculturas de Penselo” – e já diremos de que se trata – foram descobertas pelo eminente escultor acima nomeado, na freguesia de São João Baptista de Penselo, localidade suburbana da cidade de Guimarães, nas circunstâncias e condições que lhe permitiram descrever com rigor científico e gramática estética, de que nós, a seguir, apresentaremos os principais excertos.

Fig. 1 - Escultura de um Bispo/Alt. 0,765 – Fig. 2 - S. Mateus(?)/Alt. 0,55 – Fig. 3 - Escultura de um Papa(?)/Alt. 0,75
Fig. 1 - Escultura de um Bispo/Alt. 0,765 – Fig. 2 - S. Mateus(?)/Alt. 0,55 – Fig. 3 - Escultura de um Papa(?)/Alt. 0,75
Não obstante, e previamente, agrada-nos circunstanciar o enquadramento desta figura vimaranense no universo cultural, arqueológico e artístico que sempre o envolveu. Assim, além de outras funções ligadas à Academia Vimaranense, o escultor António Azevedo, encontrámo-lo integrado na Sociedade Martins Sarmento, sendo-lhe atribuído na direcção da mesma para que foi eleito em 03/04/1945 o pelouro de Conservador das estações arqueológicas da Citânia de Briteiros e Castro de Sabroso.
O seu nome figura e destaca-se com mais proeminência, pelo menos duas vezes em onomásticos e entradas de títulos na “Revista de Guimarães”, tais como “Como eram cobertas as casas redondas da Citânia” (separata da Revista de Guimarães – 1946) e o “Monumento Funerário” da Citânia - Nova Interpretação, (Separata da Revista de Guimarães – 1948).
Relativamente a este último título, se envolveu em polémica acesa com o não menos sábio, Coronel Mário Cardoso, também ele anteriormente director prestigiado da dita Sociedade.
Chamamos a atenção para os articulados destes dois eminentes estudiosos, cada um a esgrimir a seu jeito e talento, as razões por que se o Monumento da Citânia chamado “Pedra Formosa” que constitui indubitavelmente uma das riquezas daquela estação arqueológica, deva ser considerado Monumento Funerário ou espaço comunitário destinado a funções meramente utilitárias ao serviço das famílias autóctones. A disputa interessantíssima de cavalheiros, polida e prenhe de elevação, pode ser consultada com importante proveito na citada “Revista de Guimarães”, nr. 56, 1946.
Hoje, porém, enaltece-nos o facto de pôr em destaque as chamadas “Esculturas de Penselo” que o autor descreve nas circunstâncias e condições em que foram exumadas da cinza bolorenta do tempo.
A tradição e a memória colectiva do ser humano sob ponto de vista religioso e sentimental não se compadecem com o desaparecimento dos símbolos esculpidos na pedra ou na madeira, por ignorância, por cupidez ou egoísmo de alguém que destrua o bom gosto e a excelência da arte; não se destrói o bom gosto que é eterno, implantado ao sabor platónico de uma “mimesis” impressa por Deus no intelecto humano.
Estas considerações vem a propósito das obras escultóricas que são repositório do nosso património artístico descobertas em condições tão vergonhosas de abandono, que um furto salvador – se tal fosse necessário – teria o aplauso e a absolvição de toda a gente culta. É este o desabafo que o “salvador”, António de Azevedo, produziu ao descobrir o precioso achado das “Esculturas de Penselo”. E continua:
- “ Estavam ciosamente guardadas no chão húmido e térreo da pequenina capela a que pertenceram, agora transformada em palheiro, onde as vimos pela primeira vez, quando a curiosidade nos espicaçou o desejo de observarmos o seu interior e interrogamos os caseiros da herdade cujo solar abandonado se transformou em sórdida habitação da gente humilde que hoje faz as terras que outrora, nos séculos XVI, XVII e XVIII, viram a prosperidade dos seus senhores. Hoje vislumbra-se apenas um quadro evocativo e desolador. Que tristeza!
E agora, constatámos nós, não sendo difícil imaginarmos a desolação e o abandono em que as ditas esculturas se acharam, com as palhas fétidas e imundas de cortes de animais com telhados escalavrados a verter água por todos os lados.
Escusamo-nos de descrever cada uma das seis imagens que, agora e a tempo se transportaram para o Museu Alberto Sampaio e com esmerado gosto se guardam na chamada “Sala dos Penselo”, três referentes eventualmente à escultura de um Bispo, outra provavelmente ao evangelista São Mateus e a terceira à figura de um Papa, na interpretação e leitura de António de Azevedo, sendo as outras três identificadas como conjunto escultórico da Sagrada Família, São José, Nossa Senhora e o Menino.
Aqui, formulámos o ensejo de que valerá a pena fazer uma visita à dita sala do Museu Alberto Sampaio, onde se distingue tão maravilhoso espólio, o das “Esculturas de Penselo” . É de ficar repassado de fascínio e encantamento perante tal conjunto de estátuas esculpidas a gosto de alguém que, apesar do seu anonimato, as terá lavrado dentro de uma gramática estética a ultrapassar os meros saberes de um qualquer artesão vulgar.

Pe. Armando
19/10/08

Email do Jornal: jornal@oconquistador.com
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.
Dom DigitalProduzido por ardina.com,
um produto da Dom Digital.